Geral

Ciclo do sono: conheça as fases e distúrbios que interferem na qualidade do sono

Por Julia Abud 16/04/2020 ÀS 14H34
Uma boa noite de sono garante uma vida melhor Uma boa noite de sono garante uma vida melhor - Pexels

O ciclo do sono é formado por um conjunto de fases. Cada etapa do sono tem uma função diferente e a primeira começa logo quando começamos adormecer e volta como penúltima, antecedendo o sono R.E.M. - a etapa mais profunda. 

Para entender como funciona o ciclo do sono, confira como acontece cada uma das fases e, em seguida, algumas dicas para deixar suas noites melhores.

Ciclo do sono

O ciclo do sono é dividido em seis partes; fase 1, fase 2, fase 3, fase 2, fase 1 e R.E.M. Quando a última acaba, o ciclo começa novamente; em média, um adulto pode ter 4 ciclos do sono durante a noite.

Sono leve

Fase 1: Quando adormecemos, a primeira etapa pela qual o corpo passa é chamada de latência do sono. Nessa etapa é comum ter sonhos de que está caindo ou tropeçando. Ainda nessa fase, é normal se mexer bastante e não ter completa noção de que está dormindo - a realidade se confunde facilmente com os sonhos e os músculos ainda não estão relaxados. Essa fase dura, em média, 10 minutos.

Fase 2: Na segunda parte do sono leve, o corpo já está mais relaxado, mas a mente continua acordada. Por isso, é nessa fase que acordamos mais facilmente com alguém se mexendo na cama ou qualquer barulho externo, por menor que seja. Esse estágio dura por volta de 20 minutos.

Sono profundo

Fase 3: Conforme pegamos no sono, o corpo vai relaxando aos poucos. Na fase do sono profundo, os músculos já se encontram totalmente relaxados e os barulhos externos não te acordam com tanta facilidade. A mente, que antes estava acordada, agora está calma e desligada - também por isso, os sonhos não acontecem nesta etapa. Esse "apagão" traz muitos benefícios para o corpo, pois é nesse momento que acontece a reparação corporal; as lesões que ocorreram durante o dia são tratadas pelo próprio corpo nesse estágio.

Sono leve

Após o sono profundo, o corpo volta a experienciar o sono leve - desta vez na ordem contrária. Depois do sono profundo, retornamos à fase 2 do sono leve, na qual os músculos estão mais relaxados, mas a mente ainda não.

Em seguida, temos novamente a fase 1, em que corpo e mente ainda não estão em estado de relaxamento, mas já é possível ter alguns "sonhos". E é a partir dela que entramos na etapa mais profunda do ciclo do sono.

Sono R.E.M.

A última fase do ciclo do sono é chamada de R.E.M. A sigla, em inglês, significa movimentos "rapid eye moviment" - em português, "movimento rápido dos olhos". Ela começa cerca de 90 minutos depois de adormecer. Os sonhos mais elaborados, como histórias, acontecem nessa fase e o corpo se encontra em estado profundo de sono. Também é a etapa mais longa durante a noite e a cada ciclo ela aumenta mais. Essa fase é o pior momento para despertar - acordar durante o sono R.E.M. faz com que a pessoa se sinta cansada e sonolenta, uma vez que ela teve que passar de um estágio de relaxamento completo para um estado de alerta, sem diminuir gradativamente.

Distúrbios do sono

No decorrer da vida, alguns distúrbios do sono podem ser desenvolvidos. Alguns exemplos mais comuns de acontecer são a insônia, o sonambulismo e a apneia do sono. O ideal é que se procure ajuda médica para encontrar o tratamento adequado para o seu problema, mas, existem algumas atitudes que podem ajudar.

Insônia

Muito comum, a insônia é uma dificuldade em pegar no sono ou mantê-lo até o fim dos ciclos normais - o despertar frequente durante a noite também é associado à insônia.

Estresse, mente agitada e preocupações são fatores que podem provocar a insônia. Depressão, alterações hormonais e certas substâncias como álcool, cafeína e tabaco também são agentes que ajudam a agravar os casos de insônia.

Como esse distúrbio pode ter raíz em alguma doença, é importante ir a um neurologista ou psiquiatra para descobrir as causas do problema. Evitar assistir televisão, ficar no computador ou mexendo no celular antes de dormir, não consumir cafeína após as 17h e deixar o quarto com pouca iluminação e sem barulhos são atitudes que podem ajudar a diminuir a insônia.

Sonambulismo

Esse distúrbio está entre os que provocam no corpo comportamentos inadequados durante a noite, também conhecidos por parassonias. Isso acontece por causa de alterações no padrão natural do sono, decorrentes de certas áreas do cérebro que estão "acordadas". 

Muitas pessoas com sonambulismo chegam a caminhar pela casa e até mesmo conversar com outras pessoas. Em seguida, voltam a dormir e, ao acordar, não se lembram dos acontecimentos que ocorreram durante a noite.

É comum que esse distúrbio se desenvolva na infância e, com o tempo, acabe. Em casos mais duradouros e severos, um profissional da saúde pode ajudar e indicar alguns medicamentos para diminuir a ocorrência.

Apneia do sono

Também conhecida como síndrome da apneia obstrutiva do sono, esse distúrbio é uma perturbação da respiração que acontece ao longo da noite. Isso porque há uma interrupção do fluxo respiratório natural, graças ao colapso das vias aéreas.

Apneia do sono provoca sintomas severos, pois quem passa por isso não consegue alcançar as fases mais profundas do sono e isso atrapalha o descanso do corpo e da mente. O resultado é uma sonolência excessiva no dia seguinte, dores de cabeça, irritabilidade, perda da memória, pressão alta e pouca concentração.

Para diagnosticar esse problema é preciso passar pela avaliação de um especialista, que fará o tratamento adequado. Mudar alguns hábitos também pode ser necessário, como evitar o fumo. Em certos casos, a cirurgia para correção das vias respiratórias é a mais certeira para resolver esse distúrbio.

LEIA TAMBÉM:

01951