Oferendas aos Orixás: descubra o que eles mais apreciam

Oferendas aos Orixás: descubra o que eles mais apreciam

Há formas de aumentar sua conexão com essas entidades divinas por meio de oferendas. Saiba o que os Orixás gostam e tenha essa proteção extra!

oferendas aos orixás
Foto: Reprodução/iStock

Os Orixás são entidades que atuam entre o mundo humano e o divino. Para ter a proteção deles, primeiro, é preciso acreditar e respeitá-los. Agir de acordo com as leis mais justas, fazer atos caridosos, respeitar a natureza e colocar o amor acima de tudo, em todas relações. São atitudes que, naturalmente, agradam divindades de todas as religiões. Mas há formas mais diretas de atrair os favores destes mestres divinos, através de oferendas. Saiba o que agrada cada divindade e quais são as oferendas aos Orixás para ter essa proteção extra.

Atenção!

  • Uma semana antes de fazer uma oferenda, limpe seu coração, evite se envolver em discussões, fique longe de bebidas alcoólicas e jamais deseje o mal a qualquer pessoa.
  • Se precisar colocar as oferendas em locais isolados, evite ir sozinho(a) ou à noite e sempre respeite a natureza!

Oferendas aos Orixás: descubra o que eles mais apreciam

Oxalá

oferendas aos orixás

Foto: Equipe João Bidu

O grande pai dos umbandistas, aquele que espalha a fé pelo mundo, fica feliz quando é homenageado com velas brancas, frutas, coco verde, mel e flores, que podem ser oferecidos em locais menos carregados de negatividade, como bosques, praias e jardins floridos.

Oxum

oferendas aos orixás

Foto: Equipe João Bidu

O senhor do amor e da fraternidade gosta muito da luz de velas brancas, azuis ou amarelas. Flores e frutos de todos os tipos, essências de rosas, champanhe e licor de cereja também o agradam e devem ser oferecidos bem próximos de alguma cachoeira.

Oxóssi

oferendas aos orixás

Foto: Equipe João Bidu

O grande padroeiro da sabedoria e do conhecimento fica muito satisfeito com velas brancas, verdes ou rosas. Também adora que lhe ofereçam cerveja, vinho doce e licor de caju, bem como flores do campo e frutas. Para ter efeito, as oferendas devem ser depositadas em bosques ou matas.

Xangô

oferendas aos orixás

Foto: Equipe João Bidu

O todo poderoso Orixá da justiça deve ser presenteado com velas brancas, vermelhas ou marrons. Flores de todas as espécies, cerveja escura, vinho doce e licor de ambrosia são de seu gosto também. Os melhores locais para as homenagens a Xangô são montanhas, cachoeiras ou pedreiras.

Obaluaiê

oferendas aos orixás

Foto: Equipe João Bidu

O grande senhor da evolução se satisfaz com ofertas de velas brancas, vinho rosé, água pura, coco fatiado com mel e pipocas, rosas, margaridas e crisântemos. A oferenda deve ficar em um cruzeiro de cemitério, praia ou à beira de um lago ou represa.

Ogum

Foto: Equipe João Bidu

O senhor que rege as leis prefere velas brancas, azuis ou vermelhas, cerveja, vinho licoroso e flores (em especial, cravos) que devem ser colocados em campos, caminhos e encruzilhadas.

Iemanjá

oferendas aos orixás

Foto: Equipe João Bidu

A senhora das águas e da vida se alegra com velas brancas, azuis ou rosas, champanhe, calda de ameixa ou pêssego, manjar, arroz-doce, melão e rosas brancas, sempre colocados à beira-mar.

Iansã

oferendas aos orixás

Foto: Equipe João Bidu

A senhora das emoções intensas recebe com prazer velas brancas, amarelas e vermelhas. Também gosta de champanhe branca, licor de menta, anis ou cerejas, rosas e palmas amarelas, que devem ser deixados em campo aberto, pedreiras, praias ou cachoeiras.

Nanã

oferendas aos orixás

Foto: Equipe João Bidu

A regente da maturidade e da razão humana muito se satisfaz com velas brancas, roxas e rosas, champanhe, calda de ameixa ou figo, uva, melão, melancia, figo ou ameixa, sempre depositados perto de lagos ou em um mangue.

Omulu

oferendas aos orixás

Foto: Equipe João Bidu

O orixá que rege nossa passagem para o mundo espiritual deve ser agradado com velas brancas, vermelhas ou pretas, água pura, coco, vinho doce, mel, pipoca e sal grosso, em campo santo (cemitério) ou à beira-mar

Edição: Beatriz Albuquerque e Nathália Sousa/Colaboradora 

LEIA TAMBÉM:

Os comentários estão desativados.