Fale conosco

Religiosidade

Dia de Santa Joana D'Arc: conheça a história e a oração da heroína francesa

Conheça a história da jovem Joana D'Arc até se tornar padroeira da França - Crédito: Albert Lynch/Wikimedia Commons

Joana D'Arc foi uma importante personagem da história francesa durante a época da Guerra dos Cem Anos, quando o reino francês enfrentou sua inimiga, Inglaterra, no ano de 1337. 

No dia 30 de maio de 1431, a jovem de 19 anos foi morta, em praça pública, por ser acusada de bruxaria - julgamento comum contra mulheres na época.

Após muitos anos, sua história foi propagada e enaltecida, graças à sua colaboração para as vitórias do exército francês. Por isso, o dia de sua morte passou a ser chamado de Dia de Joana D'arc, como forma de homenageá-la. Atualmente, ela é considerada a padroeira da França devido à sua grande vocação religiosa e ao seu espírito guerreiro.

Portanto, aproveite que hoje é o dia de sua homenagem e conheça a oração a Santa Joana D'arc para pedir pela proteção dessa poderosa santa.

História de Joana D'arc

Filha de camponeses trabalhadores, Joana nasceu na região de Lorena, na França, e teve uma infância simples, realizando trabalhos domésticos, enquanto também pastoreava os rebanhos de ovelhas de seu pai.

Aos 13 anos, começou a ouvir vozes divinas que, após alguns anos, percebeu que se tratavam, na verdade, de chamados de Deus para que ela ajudasse seu povo na guerra. 

Em um desses momentos, a jovem estava no jardim quando recebeu as aparições de São Miguel, Santa Catarina de Alexandria e Santa Margarida de Antioquia. Essas divindades disseram para que ela fizesse parte do exército francês pois, assim, ajudaria o rei Carlos VII e toda população na luta contra a Inglaterra.

Motivada pelas mensagens divinas, a jovem cortou seu cabelo curto, vestiu-se de homem e tentou contato com o rei, que aceitou recebê-la - o motivo para que o monarca aceitasse a visita e a participação de Joana em seu exército é, até hoje, desconhecido. Ela contou ao rei Carlos VII a respeito das vozes que ouvia; ele, por sua vez, entregou a ela uma espada, um estandarte e o comando das tropas francesas.

Não se sabe ao certo se Joana realmente lutou contra o inimigo ou se tinha apenas a função de incentivar e ajudar em decisões do exército. Porém, é certo que, após seu ingresso nas tropas, o reino francês ganhou muito mais força nas batalhas e, assim, conseguiu sair vitorioso da guerra.

Graças à vitória dos militares franceses, o rei Carlos VII deveria marchar até Paris para legitimar sua coroação - antes questionada pelos inimigos. Contudo, o que era para ser uma celebração tranquila teve a intervenção do exército borgonhês.

Com o ataque, o rei resolveu buscar pela diplomacia e pela consolidação de suas vitórias anteriores e, assim, dissolveu seu exército. Assim, Joana ficou sem armamento e com muito menos homens para compor sua tropa e continuar lutando. 

Sem forças suficientes, Joana foi capturada pelos borgonheses em 23 de maio de 1430, na cidade de Compiégne, quando decidiu enfrentar as tropas inimigas, mesmo com avisos divinos de que seria raptada por eles.

A jovem foi vendida para o exército da Inglaterra e, ao descobrir, tentou cometer suicídio para não cair nas mãos dos ingleses - porém, sua tentativa foi em vão.

Um ano depois, em 1431, Joana foi julgada sob acusações de ordem religiosas; alguns diziam que a jovem era bruxa, outros alegavam que ela havia cometido heresias ou até que ela era possuída pelo demônio. Até sua virgindade e o fato de ter se vestido de homem também foram usados como motivos para descreditar a jovem. Contudo, o rei Carlos VII não fez nada para protegê-la.

No dia 30 de maio de 1431, então, Joana D'Arc foi queimada viva em uma fogueira em praça pública enquanto a plateia a chamava de bruxa, mentirosa e herege. 

Na década de 1456, Joana foi considerada inocente pelo Papa Calisto III e a igreja autorizou a beatificação da jovem. Em 1920, Joana foi canonizada pelo Papa Bento XV e, atualmente, ela é considerada a padroeira da França.

Oração a Santa Joana D'Arc

"Santa Joana D’Arc, donzela de Orleans e do mundo, guerreira que utilizou seu estandarte glorioso no lugar da espada mística que pertenceu à Santa Catarina e nunca foi usada para matar, venha em nosso socorro com suas hostes do bem, para que tenhamos forças para enfrentar os nossos desesperos e nossas angústias sem sair dos caminhos da fé em Cristo, nosso senhor. Gloriosa santa imaculada, capaz de enfrentar as mais duras penas, as mais árduas batalhas, as mais insultuosas injustiças, que caminhastes para o céu através da fogueira ensandecida que homens ensandecidos acenderam aos seus pés, apenas porque jamais faltou aos vossos princípios e à vossa fé e que fostes acolhida no céu diretamente por Jesus, trazei-nos o vosso estandarte para que possamos seguir em vossas fileiras mantendo intacta a nossa fé. Nas atribulações do mundo atual, a contemplação do vosso caráter e da vossa força nos é absolutamente necessária para vencermos os óbices que se nos deparam a cada instante, como se estivéssemos voltando a idade das trevas em que vós vivestes e soubestes permanecer forte e virgem em meio à soldadesca brutal que se curvava ante vós pela integridade da vossa honra e a proteção constante de nosso senhor Jesus Cristo através dos seus anjos e suas santas. Intercedei por nós, Santa Joana D’Arc e que possamos alcançar uma parte do vosso exemplo para fazermos frutificar em nossos corações a chama da vida eterna, Amém."

LEIA TAMBÉM:

Por