Geral

Caldeirão da Bruxa: tudo sobre esse objeto clássico da bruxaria

Por Mônica Lopes 14/05/2020 ÀS 15H30
O caldeirão é um dos itens mais famosos da bruxaria O caldeirão é um dos itens mais famosos da bruxaria - belinka/Stock Adobe

A palavra "caldeirão", quando pronunciada, já vem associada à figura de uma Bruxa fazendo algum feitiço, certo? Um parece não existir sem o outro, e é bom que não exista mesmo, pois o caldeirão só ganhou a importância que tem hoje porque passou pelas mãos de uma mulher sábia e poderosa, como uma Bruxa.

O caldeirão da Bruxa na antiguidade

Na antiguidade, o caldeirão era apenas a panela de uma mulher como outra qualquer, que utilizava esse acessório para cozinhar. A diferença é que, dependendo da mulher que estava cozinhando, o caldeirão se transformava em algo perigoso, afinal, bastava que essa mulher tivesse um pouco mais de conhecimento sobre ervas e alguns preparos medicinais e, pronto, já ganhava o rótulo de Bruxa má. E por ser uma Bruxa, as ervas que ela estava colocando na panela viravam asas de morcego, patas de aranhas, entre outras coisas vistas como ruins, e já se pensava que ela estava cozinhando alguma criancinha para fazer maldades. A imaginação da época não tinha limites!

A ideia de uma mulher comum saber curar com plantas era algo extraordinário, visto obra do Diabo. Mas, as culturas mais antigas já faziam isso para curar as doenças que surgiam em seus clãs e não havia nenhum problema, nem sequer existia esse tal de Diabo! De onde veio essa história?

Não é por nada, mas a deturpação da medicina natural veio com a religião predominante da época, que enxergava nesse conhecimento extraordinário uma ameaça para os seus objetivos. Se pensarmos bem, considerar maléfico o conhecimento sobre ervas e flores não faz nenhum sentido! Se tudo que existe neste planeta foi criado por Deus, inclusive a humanidade e as plantas, como a união dessas duas forças poderia ser obra do mal? 

Se continuássemos nessa linha de pensamento, a Fitoterapia, a Homeopatia, a Aromaterapia, os florais não existiriam. Aliás, nem os remédios químicos que consumimos hoje existiriam, afinal, todos eles têm origem numa planta, você sabia? Pois é, e que bom que, com o passar do tempo, conseguimos pensar melhor sobre isso.

Mas, vamos voltar ao caldeirão. Antigamente, só se podia cozinhar em fogueiras ou lareiras e, para isso, precisavam de um recipiente que resistisse ao fogo, daí a escolha pelo ferro. Eles precisavam ser práticos e a panela tinha que ter um tamanho suficiente para se fazer qualquer preparo, por isso a escolha pelo formato redondo do caldeirão, ali cabia tudo: carnes, legumes, o que precisasse cozinhar.

O caldeirão da Bruxa atualmente

Hoje, já temos fogão a gás, fogão elétrico, microondas e muitos recipientes diferentes para cozinhar e, com a chegada da tecnologia, já não precisamos fazer tudo numa única panela como era naquele tempo. 

Isso significa que, nos tempos atuais, o caldeirão da Bruxa já não é mais uma simples panela; é um instrumento de Magia Natural. Nele, ela vai fazer preparos com ervas, vai queimar pedidos, acender velas - tudo com uma finalidade ritualística. O caldeirão será fonte para gerar uma certa energia. Agora, as Bruxas cozinham seus alimentos em outras panelas e separam o caldeirão só para fazer suas magias.

Então, hoje, se você vir uma mulher manuseando seu caldeirão em uma bela noite de Lua Cheia, saiba que sim, ela possivelmente está fazendo magia! E eu falei Magia, não maldade!

No momento em que uma Bruxa está com seu caldeirão, ela flui. Ela está em contato direto com a Deusa, pois o caldeirão da Bruxa é a representação do ventre da Grande Mãe. Ele é um símbolo de fertilidade e transmutação. Tudo ali nasce, cresce e se transforma. O caldeirão simboliza a vida que pulsa no ventre de uma mãe.

Como é feito o caldeirão da Bruxa

O caldeirão pode ser feito de qualquer elemento natural. Geralmente, ele é de ferro, não só para manter a tradição de nossas ancestrais, mas também porque o ferro resiste ao fogo - como já mencionamos anteriormente. O fogo é necessário para queimar as ervas e os pedidos e também para trabalhar o próprio elemento durante rituais e consagrações, então, a escolha pelo ferro se mostra importante.

É preciso observar os pés também. Para se considerar um caldeirão tradicional de Bruxa, ele precisa ter 3 pés, pois relacionamos o número 3 com a Sagrada Trindade, as 3 Faces da Deusa, a Deusa Tríplice.

Mas, tem um detalhe: o caldeirão só se torna um instrumento mágico quando passa por uma consagração em um ritual específico e cheio de simbologia e energia - caso contrário, ele será apenas mais uma panela de ferro ou um enfeite.

Acontece que o Poder e a Magia estão na Bruxa e não no objeto em si. O caldeirão, assim como outros instrumentos mágicos, só são realmente mágicos porque a Bruxa deu vida a eles e eles se tornaram a extensão de seu próprio poder. O caldeirão sozinho não faz absolutamente nada!

Aliás, é importante esclarecer que a Magia por si só não é boa nem má, o que vai determinar isso é a intenção da pessoa por trás dela. A maldade existe na mente e no coração de algumas pessoas - e não precisa de Magia ou de caldeirão para isso acontecer. Tem muita gente mal intencionada por aí prejudicando as pessoas no dia a dia com fofocas, mentiras, puxadas de tapete no trabalho, entre outras situações, e elas conseguem isso apenas com suas atitudes.

Quando a Bruxa de verdade se coloca diante do seu caldeirão e faz seus feitiços é para fazer o bem, é para fazer fluir a prosperidade em sua vida, a fartura em sua mesa, o amor em suas relações, a saúde em seu corpo físico e em sua mente.

Quem utiliza seu precioso tempo e poder para prejudicar os outros se desviou da verdadeira Magia, saiu da essência Divina e da luz, se vendeu aos propósitos do ego e do egoísmo - e isso não é ser Bruxa, acredite!

Temos uma regra importante na Magia: “Se a ninguém machucar, faça o que desejar”. Esse é o caminho!

Blessed Be!

(Abençoado Seja!)

Texto: Mônica Lopes - Consultora Esotérica, Taróloga, Bruxa Natural

Instagram: @oarmariodabruxa

 

LEIA TAMBÉM:

02048