Fale conosco

Amor

Sangramento pós-sexo: descubra até onde é normal e se é indicativo de doenças!

A mulher se encolhe na cama com cólica. Sangramento pós-sexo. - Foto: Sutterstock Images

Quando o assunto é sexo, qualquer coisa que pareça fora do comum é motivo de preocupação. O sangramento pós-sexo, muitas vezes, pode indicar algum problema no organismo, bem como doenças sexualmente transmissíveis. Pensando nisso, descubra até onde é normal que estes escapes ocorram e quais as patologias podem estar relacionadas!

Quando é normal?

A única situação em que um sangramento pós-sexo é considerado normal é na primeira transa, isso porque o hímen - membrana localizado na vagina das meninas virgens - se rompe e pode causar um escape, cujo volume varia de mulher para mulher, sendo que algumas pode até não ter essa experiência. Pode acontecer, também, da falta de lubrificação causar alguns machucados internos que geram algumas gotas de sangue vermelho. [caption id="attachment_87554" align="alignnone" width="640"]A mulher segura as partes íntimas com as mãos. Sangramento pós-sexo. (Foto: Sutterstock Images)[/caption]

Sangramento pós-sexo pode indicar problemas

Dependendo da cor e volume, o sangue pode indicar desde um machucado causado pelo atrito entre o pênis e a vagina (em vermelho vivo) ou um escape menstrual (com coloração amarronzada), já que o sexo estimula a contração do útero. No entanto, ambas situações acontecem em pequenas quantidades, ou seja, se ocorrer uma liberação exagerada de sangue procure um pronto socorro, principalmente se for seguido de tonturas e palidez. O sangramento pós-sexo pode ser um sinal de problemas como doenças sexualmente transmissíveis, endometriose, candidíase, inflamações, infecções e tumores. Muitas vezes, o sangue pode ser seguido de dores abdominais. O sangramento pós-sexo ocorre quando o pênis e a movimentação intensa do ato acabam atingindo ou estimulando o deslocamento da parede interna do órgão que atinge o cerne da patologia, por exemplo. Assim, é importante lembrar que, em qualquer anormalidade, o seu ginecologista deve ser avisado para que sua saúde seja checado. LEIA TAMBÉM Texto: Camila Ramos/Colaboradora noEmbed

Por